O meu verdadeiro Eu

Quero que cada pessoa seja livre de entrar no meu trabalho e interpreta-lo e senti-lo como quiser.

“O Oculto” – Escola Portuguesa de Macau