Sávio Roberto Fonseca de Freitas

O pesquisador Prof. Dr. Sávio Roberto Fonseca de Freitas (UFPB) estuda a literatura de Moçambique desde 2005. No ano de 2011, teve acesso a minha obra e desde então, tem vindo a estudar a minha poesia, e tem publicado estudos sobre a mesma em vários veículos acadêmicos.

SOB O COMANDO DA UMA LUA SUBMISSA: A POESIA MOÇAMBICANA DE SÓNIA SULTUANE

Texto publicado como capítulo no livro BRANDÃO, Izabel; LOURENÇO, Laureny. Literatura e Ecologia: trilhando novos caminhos críticos. Maceió: EDUFAL, 2019. 101-116.

MOÇAMBIQUE NO FEMININO: AS DIMENSÕES POÉTICAS DO CORPO NA POESIA DE SÓNIA SULTUANE

O objetivo deste estudo é desenvolver uma análise da poesia da escritora moçambicana Sónia Sultuane, mostrando como a metaforização do corpo feminino assume dimensões poéticas que problematizam as relações de raça, classe e gênero no sentido de atualizar discussões críticas sobre os posicionamentos político, literários e culturais da escrita de autoria feminina contemporânea em Moçambique.

Texto Publicado na Revista Mulemba – UFRJ/2019

SÓNIA SULTUANE: O PODER DO FEMININO NA POESIA MOÇAMBICANA CONTEMPORÂNEA

RESUMO
Sónia Abdul Sultuane é mais uma voz feminina que vem compor o elenco de mulheres escritoras em Moçambique. O lirismo e o feminismo dão um toque especial à produção literária da referida poeta que nada deixa a desejar em relação ao grupo de mulheres escritoras que compõem o cenário da literatura moçambicana do pós-independência. O lirismo presente na poesia de Sultuane dá visibilidade à tradição oral preservada pelos intelectuais da literatura moçambicana, como também evidencia uma voz poética que se posiciona no feminino. O feminismo dá ao discurso poético de Sultuane a envergadura social que a insere na discussão da emancipação política de Moçambique, sendo as temáticas femininas o ponto de discussão sobre literatura, identidade e póscolonialismo.
Desta forma, nosso estudo pretende desenvolver uma análise dos poemas de Sónia Sultuane à luz da teoria feminista, no intuito de afirmar que, através de sua poesia, Sonia Sultuane cria um eu-poético feminista engajado com o processo de reconhecimento e pertencimento identitário em Moçambique. Como corpus de nossa análise, optamos pelos poemas: Africana e Tocarmo-nos, inseridos na coletânea de versos Imaginar o Poetizado (2006) , e Liberdade e Nasci poeta, presentes na coletânea de versos No colo da lua (2009).

pdf-symbol Sónia Sultuane: O poder do feminino na poesia moçambicana contemporânea

Do feminismo literário ao ativismo político: a poesia de Sónia Sultuane, de Conceição Lima e de Odete Semedo

Texto apresentado no XVIII Seminário Internacional Mulher e Literatura, ocorrido na Universidade Federal de Sergipe-UFS, Campus São Cristóvão, no dia 14 de Agosto de 2019. Também publicado como capítulo de livro em: GOMES, Carlos Magno; RAMALHO,  Christina Bielinski; CARDOSO, Ana Maria Leal . (Org.). Escritas de resistência: intersecções feministas da literatura. 1ed.Aracaju: Criação Editora, 2019, v. 1, p. 109-120.

A Lua de N’weti: O imaginário infantil de Sónia Sultuane

 objetivo deste estudo é desenvolver uma análise da obra literária infantil A lua de N’weti (2014), da escritora moçambicana Sónia Sultuane. Movida pelo mundo das crenças tradicionais e pelo universo místico da Lua, Sónia Sultuane faz migrar a poesia para a literatura infantil. N’weti é uma criança moçambicana que amadurece os medos em relação à Lua cheia. Ao contar esta estória, Sultuane comprova um vínculo com a permanência do contrato com o movimento da moçambicanidade. Alguns aspectos são levados em consideração na análise: a oralidade, as crenças tradicionais moçambicanas e o imaginário infantil no feminino. Como suporte teórico, ancoramos nossos análises em posicionamentos de: (CHEVALIER; GHEERBRANT, 2006, p.561), (MOREIRA, 2005, p.31), (BACHELARD, 1990. p. 6), (SECCO, 2007, p.9-10) e (CHIZIANE&MARTINS, 2018, p.27).