Hora 0 – “De Dentro para Fora” (Centro Cultural Franco Moçambicano)

A vida quotidiana e materialista que cada vez mais se sente e se vive, esse nosso redor carregado do material, leva-me a partilhar e comunicar em arte contemporânea, tentando buscar a atenção para esse outro mundo mais “reservado” e “mais lido”, o mundo onde o papel e as letras se fundem e confundem no seu silêncio, tento assim buscar outras formas e outras fontes de inspiração que não passam necessariamente só do papel ou necessariamente só das letras, entrego-me a essa nova descoberta a essa procura, talvez com um grito desesperado de partilharmos os sentimentos, as emoções e os afectos, que afinal todos carregamos em nós.

Como “poetisa” quero–vos chamar, festejar, celebrar, partilhar com letras, com palavras, com sílabas, com vírgulas, com formas corporais, com cores, esse mundo das letras, para que possamos todos reencontrar-nos, sentirmo-nos para que vos possa tocar a alma, chamar em vós os sentimentos as emoções, os afectos em forma de poesia, essa que cada vez mais fica distante de nós, das nossas vidas.

Como acredito que em cada um de nós existe um poeta, que em cada pedaço de nós existe uma fonte de inspiração, que em cada pedaço de nós existe poesia para ser dita, escrita e sentida então convido-os para juntos fazermos essa descoberta.